implantes dentários

Implantes Dentários, porque são considerados tão caros?

Assumir que um tratamento com implantes dentários é dispendioso, é desvalorizar todo um vasto conjunto de etapas desde o diagnóstico e planificação, até à colocação final do implante dentário e posterior reabilitação do mesmo.

Apoiando na velha máxima de que “Cada caso é um caso” devemos compreender que não é de todo possível generalizar o valor para um implante dentário, pois são vários os factores que podem afectar o tratamento e consequentemente os valores a despender.

Neste patamar, tentaremos descodificar quais as principais etapas e critérios a ter em conta para a colocação de um implante, e com isso, entender o porquê dos custos associados a este procedimento.

Algo que devemos desmitificar desde já, é que, per si, o implante não tem funcionalidade, sendo que o mesmo só quando reabilitado (coroa, por exemplo) é que efectiva a sua função, sendo que, regra geral, os valores apresentados aos nossos pacientes englobam o valor do implante e coroa realizada, o que pode desde orientar para os valores praticados.

De uma forma linear, a colocação de um implante e posterior reabilitação, exige etapa por etapa:

  1. a realização de um estudo que envolve fotografias e um TAC que nos permitirá perceber as condições ósseas existentes;
  2. ponderar a realização, quando necessário, de eventuais cirurgias de enxertos ósseos e gengivais prévios à colocação do implante;
  3. confecção de um guia cirúrgica que nos permitirá colocar o implante na posição ideal e tornar o procedimento minimamente invasivo;
  4. cirurgia de colocação de implante com realização (ou não) de um provisório;
  5. impressões ou scannings para realização da trabalho protetico a reabilitar o implante;
  6. prova e/ou colocação do trabalho protetico final;
  7. consulta de controlo e eventuais ajustes. Como podemos desta forma entender,  as etapas são vastas, exigem tempo de estudo por parte do clínico, investimento em material de tecnologia avançada (TAC, impressora 3D para confecção de guias, Scannings para digitalizações intra-orais), tempos clínicos e algumas consultas (no mínimo 3 consultas desde a colocação do implante até à colocação da reabilitação final), sendo que tudo deve ser contabilizado para o custo do valor a despender.

Outra aspecto a ter em conta prende-se com os materiais utilizados  e laboratórios escolhidos para realização do trabalho que vai reabilitar o implante. Na implantologia existe uma alta variedade de marcas comerciais, bem como tipos de implantes dentários variados e adequados a cada caso.

Assim, é importante entender que existem marcas que estão no mercado há mais anos e fazem constantemente pesquisas e estudos que atestam a sua qualidade e previsibilidade. É nesta marcas que devemos depositar confiança pois adivinha-se maior previsibilidade nos casos realizados com estes implantes dentários.

Naturalmente a marcas conceituados, preços mais elevados de custo de material estão associados. Não menos importante a reabilitação a ser adaptada ao implante, exige um trabalho de qualidade não só nos materiais, mas sobretudo nos  técnicos e sua capacidade em desenvolver trabalhos proteticos (Coroas, pontes, infraestruturas maxilares totais)  com a adaptação e anatomia adequados.

De considerar ainda, que em casos particulares, a conexao feita entre a coroa e o implante serve-se de peças intermédias proprias que garantem melhor estabilidade (MultiUnits, nomeadamente) e que estas peças apresentam custos materiais adicionais.

Terminando com boa disposição, devemos lembrar-nos que a vida nos ofereceu 2 dentições (Dentes de leite e dentes permanentes),pelo que nos parece justo termos de pagar pela terceira dentição. Procure-nos para esclarecer todas as dúvidas e recuperar o seu sorriso e bem estar com confiança e tranquilidade.

Tags

Categorias

implantes dentários

Implantes Dentários, porque são considerados tão caros?

Assumir que um tratamento com implantes dentários é dispendioso, é desvalorizar todo um vasto conjunto de etapas desde o diagnóstico e planificação, até à colocação final do implante dentário e posterior reabilitação do mesmo.

Apoiando na velha máxima de que “Cada caso é um caso” devemos compreender que não é de todo possível generalizar o valor para um implante dentário, pois são vários os factores que podem afectar o tratamento e consequentemente os valores a despender.

Neste patamar, tentaremos descodificar quais as principais etapas e critérios a ter em conta para a colocação de um implante, e com isso, entender o porquê dos custos associados a este procedimento.

Algo que devemos desmitificar desde já, é que, per si, o implante não tem funcionalidade, sendo que o mesmo só quando reabilitado (coroa, por exemplo) é que efectiva a sua função, sendo que, regra geral, os valores apresentados aos nossos pacientes englobam o valor do implante e coroa realizada, o que pode desde orientar para os valores praticados.

De uma forma linear, a colocação de um implante e posterior reabilitação, exige etapa por etapa:

  1. a realização de um estudo que envolve fotografias e um TAC que nos permitirá perceber as condições ósseas existentes;
  2. ponderar a realização, quando necessário, de eventuais cirurgias de enxertos ósseos e gengivais prévios à colocação do implante;
  3. confecção de um guia cirúrgica que nos permitirá colocar o implante na posição ideal e tornar o procedimento minimamente invasivo;
  4. cirurgia de colocação de implante com realização (ou não) de um provisório;
  5. impressões ou scannings para realização da trabalho protetico a reabilitar o implante;
  6. prova e/ou colocação do trabalho protetico final;
  7. consulta de controlo e eventuais ajustes. Como podemos desta forma entender,  as etapas são vastas, exigem tempo de estudo por parte do clínico, investimento em material de tecnologia avançada (TAC, impressora 3D para confecção de guias, Scannings para digitalizações intra-orais), tempos clínicos e algumas consultas (no mínimo 3 consultas desde a colocação do implante até à colocação da reabilitação final), sendo que tudo deve ser contabilizado para o custo do valor a despender.

Outra aspecto a ter em conta prende-se com os materiais utilizados  e laboratórios escolhidos para realização do trabalho que vai reabilitar o implante. Na implantologia existe uma alta variedade de marcas comerciais, bem como tipos de implantes dentários variados e adequados a cada caso.

Assim, é importante entender que existem marcas que estão no mercado há mais anos e fazem constantemente pesquisas e estudos que atestam a sua qualidade e previsibilidade. É nesta marcas que devemos depositar confiança pois adivinha-se maior previsibilidade nos casos realizados com estes implantes dentários.

Naturalmente a marcas conceituados, preços mais elevados de custo de material estão associados. Não menos importante a reabilitação a ser adaptada ao implante, exige um trabalho de qualidade não só nos materiais, mas sobretudo nos  técnicos e sua capacidade em desenvolver trabalhos proteticos (Coroas, pontes, infraestruturas maxilares totais)  com a adaptação e anatomia adequados.

De considerar ainda, que em casos particulares, a conexao feita entre a coroa e o implante serve-se de peças intermédias proprias que garantem melhor estabilidade (MultiUnits, nomeadamente) e que estas peças apresentam custos materiais adicionais.

Terminando com boa disposição, devemos lembrar-nos que a vida nos ofereceu 2 dentições (Dentes de leite e dentes permanentes),pelo que nos parece justo termos de pagar pela terceira dentição. Procure-nos para esclarecer todas as dúvidas e recuperar o seu sorriso e bem estar com confiança e tranquilidade.

Tags

Categorias

Marque agora a sua consulta

Contactos

Marque agora a sua consulta

Contactos